20 anos de Sintra como Património Mundial debatidos em Sintra

patrimonio alagamares 01

O MU.SA – Museu das Artes de Sintra foi palco na quarta-feira do debate sobre os 20 anos de Sintra como Património Mundial, promovido pela Alagamares-Associação Cultural, e que contou com a presença do presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta. 

Basílio Horta abriu a sessão e reiterou o empenho no aperfeiçoamento das estruturas de gestão da área classificada, bem como a necessidade de maior articulação e cooperação entre as diversas entidades que no terreno intervêm nesse perímetro, dando como exemplo a colaboração entre a Câmara Municipal de Sintra e a Parques de Sintra-Monte da Lua na realização de ações conjuntas. 

O historiador João Rodil realçou diversos aspetos do património imaterial que contribuem para o “espirito do lugar”, o urbanista Sidónio Pardal, que se empenhou na distinção entre jardins românticos e paisagem, e o presidente do Conselho Estratégico Ambiental da autarquia e antigo ministro do Ambiente, Nunes Correia, incidindo na articulação entre as várias entidades para a gestão da Paisagem Cultural. 

Cardim Ribeiro, que em 1995 coordenou a candidatura de Sintra a Património da Humanidade, após descrever a Paisagem como de “Concórdia Cultural” e um sim-lugar, por oposição aos inúmeros não-lugares que nos rodeiam, manifestou preocupação, mais do que pela Zona Inscrita, pela conservação das Zonas Tampão e de Transição, com a introdução de loteamentos em banda e “pastiches” supostamente neoclássicos e de mau gosto duvidoso e a destruição de imóveis de cariz vernacular, propondo o combate igualmente às podas agressivas e à postura “anti-árvore de porte” reinante. 

Deverá evitar-se o crescimento explosivo dos perímetros urbanos, enfatizou, bem como a fusão de povoações vizinhas, evitar a proliferação de áreas industriais e mobiliário urbano desadequado, plantar e arborizar com espécies autóctones, num quadro de planos e estudos de pormenor generalizados, como, em estudo sobre Sintra em tempos realizado, recomendou o reputado arquiteto Leon Krier.