“Jaguar” de António Carlos Cortez vence Prémio Ruy Belo

O Prémio Ruy Belo foi atribuído este ano a António Carlos Cortez pela obra “Jaguar”.

Publicado pela Dom Quixote, em 2019, o vencedor do Prémio Ruy Belo demonstra uma “coerência estrutural do volume, patente na forma como os diversos núcleos imagéticos que explora se vão desdobrando de forma fulgurante”.

O júri do prémio considerou o livro de António Carlos Cortez como “um assinalável salto qualitativo em relação à obra do autor” que encara o “poema como caçada terrível”.

Nascido em Lisboa, em 1976, o autor é também ensaísta e crítico de poesia.

O júri, constituído por José Manuel Mendes, da Associação Portuguesa de Escritores, Ricardo Gil Soeiro, da Associação Portuguesa dos Críticos Literário, e João Rodil, da Câmara Municipal de Sintra analisou um total de 26 obras.

O Prémio Ruy Belo já galardoou em anteriores edições António Ramos Rosa, Artur do Cruzeiro Seixas, Fernando Guimarães, Manuel de Freitas e Rui Lage.

A Câmara Municipal de Sintra promove o Prémio Literário Ruy Belo com o objetivo de dinamizar e estimular a criação literária e como homenagem ao poeta e munícipe de Sintra.

A cerimónia de entrega do prémio está marcada para o dia 30 de setembro, pelas 12h00, nos Paços do Concelho, em Sintra.