Autarquia entrega prémios Literários e de Artes Visuais

O MU.SA – Museu das Artes de Sintra foi palco para a entrega dos Prémios Literários e de Artes Visuais de Sintra e contou com a presença do presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta.

A atribuição destes prémios corresponde à realização da XII Edição do Prémio de Ficção Narrativa Ferreira de Castro, da X Edição do Prémio de Poesia Oliva Guerra, da XV Edição do Prémio de Pintura e Escultura de Sintra D. Fernando II e da V Edição do Prémio de Fotografia de Sintra, iniciativas promovidas pela autarquia.

Durante a cerimónia, Basílio Horta congratulou os participantes referindo que “os prémios não valem só pelo seu valor monetário, mas pelo que significam, pela estratégia cultural da câmara cada vez mais dinâmica”.

“Sintra, por todos os motivos, é uma terra de cultura e em que a cultura deve servir para unir e ser uma âncora de uniformidade em todo o território. Queremos que as pessoas não morem aqui, mas vivam aqui. Queremos que a nossa cultura vá ao encontro das pessoas, onde elas vivem e trabalham”, afirmou o edil.

O Prémio Ferreira de Castro de Ficção Narrativa, no valor de 5 mil euros, foi atribuído a João Morgado, pela obra “Livrai-me do Mal” e Menção Honrosa a Nuno de Figueiredo, por “Dicionário Político e Sentimental”.

“A Olho Nu”, de Sofia Teixeira de Moraes, foi a obra distinguida pelo Prémio Oliva Guerra de Poesia, no valor de 5 mil euros e atribuídas as Menções Honrosas a Rodrigo Prista Garcia, por “Coração Míope” e a Rogério Luz, por “Avenida Pasteur”.

A V edição dos Prémios de Fotografia de Sintra distinguiu em primeiro lugar, a obra fotográfica “Monólito Antropocénico”, de Manuela Isabel Casado Pacheco, correspondente ao valor de 2 mil euros, o segundo lugar, no valor de mil e 500 euros, foi atribuído a Ricardo Miguel de Sousa Nunes, por “Destroyed instant film (Blush Pink)” e o terceiro lugar, no valor de mil euros, a Stefano Sabino Martini pela obra fotográfica “Sem título”.

Foram ainda distinguidos com Menções Honrosas: Raquel Filipa Ferreira Cândido pela obra “Sem Título”, Carolina Matias Lino por “As orquídeas voltaram a ter frio” e Maria Isabel Rodrigues Correia por “Sem Título”.

A XV edição do Prémio de Pintura e Escultura de Sintra – D. Fernando II distinguiu João Francisco Feliciano com o prémio de pintura, no valor de 3 mil e 500 euros, pela obra “Sem Título-no mar (para Aylan)”, João Miguel Marante de Oliveira, com o prémio de escultura, no valor de 3 mil e 500 euros, pela obra “Memórias” e Maria Luísa Capela Rodrigues Carvalho com o prémio revelação, no valor de 2 mil e 500 euros, pela obra “Eu sou paisagem em um, em dois, em três”.

As Menções Honrosas em pintura foram atribuídas a Joana Pitta, pela obra “Nome genérico de todas as faixas de terreno”, a Luís Ferreira da Silva, pela obra “Ofensa”, a Nicoleta Sandulescu pela obra “Space” e em escultura a Joana Siquenique Amaro, pela obra “Wavy Green”.

Pretende-se, com a realização destes quatro concursos, estimular a criação literária, promover, difundir e apoiar a atividade plástica, bem como divulgar a identidade cultural e artística única no Município, e difundir a arte fotográfica, reconhecendo a sua importância na cultura contemporânea como forma de criação plástica, de intervenção na realidade e testemunho, que lhe confere um estatuto único como documento cultural e social. 

Esta cerimónia ficou também marcada pela comunicação de dois grandes planos da autarquia para os anos 2020 e 2021.

Com diversos projetos e iniciativas por todo o Município de Sintra, o próximo ano será dedicado às comemorações dos 25 anos da classificação de Sintra a Património Mundial, na categoria de Paisagem Cultural pela UNESCO e, em 2021, será celebrado pelo concelho, o Ano Municipal da Cultura.