Alerta amarelo para vaga de frio

A Proteção Civil de Sintra colocou sob alerta amarelo o concelho de Sintra, devido às previsões de uma descida das temperaturas, com maior destaque no período noturno entre sábado (6 de dezembro) e sexta feira (12 de dezembro).

O Serviço Municipal de Proteção Civil e com base na informação disponibilizada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera, prevê-se, para os próximos dias no concelho de Sintra, uma descida das temperaturas e assim é implementado o alerta de nível Amarelo do Plano de Contingência Municipal para as Temperaturas Extremas Adversas.


Face a estas previsões, e com particular atenção a pessoas mais vulneráveis como crianças, idosos, pessoas portadoras de patologias crónicas e indivíduos sem-abrigo, a Câmara Municipal de Sintra garantirá o acompanhamento permanente da situação.


Recomenda-se a todos os cidadãos a adoção das seguintes medidas:

  • que se evite a exposição prolongada ao frio e as mudanças bruscas de temperatura;

  • o uso de várias camadas de roupa, folgada e adaptada à temperatura ambiente;

  • a proteção das extremidades do corpo (usando luvas, gorro, meias quentes e cachecol);

  • a ingestão de sopas e bebidas quentes, evitando o álcool que proporciona uma falsa sensação de calor;

  • especial atenção com a proteção em termos de vestuário por parte de trabalhadores que exerçam a sua atividade no exterior, e evitar esforços excessivos resultantes dessa atividade.

O Serviço Municipal de Proteção Civil recomenda ainda:

  • especial atenção aos aquecimentos com combustão (ex. braseiras e lareiras), que podem causar intoxicação e levar à morte;

  • que se assegure uma adequada ventilação das habitações, quando não for possível evitar o uso de braseiras ou lareiras;

  • que se evite o uso de dispositivos de aquecimento durante o sono, desligando sempre quaisquer aparelhos antes de se deitar;

  • que se tenha em atenção a condução em locais susceptíveis de formação de gelo na estrada, adotando uma condução defensiva;

  • especial atenção por parte das famílias e vizinhos, e das redes de proximidade, com as situações de pessoas idosas e em condição de maior isolamento.

Imprimir