Image

As melhores exposições do ano em destaque para este fim de semana

São vários os motivos para visitar Sintra este fim de semana.

“Agricultores e Pastores da Pré-História – Testemunhos da Região de Sintra” é a recente mostra que está patente no Museu Arqueológico de São Miguel de Odrinhas, em Sintra, este sábado, das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00. Esta exposição reúne mais de 500 objectos que testemunham a densa ocupação humana de Sintra durante a Pré-história recente, ou seja, desde meados do 6.º milénio (Neolítico antigo) até finais do 3.º milénio A.C. (Calcolítico final). A maior parte das coleções expostas resultam do trabalho de investigação arqueológica levado a cabo durante largos anos pela própria equipa do museu.

A Casa Mantero tem patente até dia 4 de janeiro a exposição de desenho “Duo”, de Sérgio Dória Santos. O particular fauvismo da pintura do artista contém densidades e riquezas interiores que só podem ser dados por uma profunda preocupação humanista.

Até 6 de janeiro poderá visitar a exposição “A Beleza Animal” no Museu Anjos Teixeira. Em jeito de trilogia, foram organizadas três exposições que pretendem exibir a procura da beleza das formas por parte dos Mestres Artur e Pedro Anjos Teixeira. "A Beleza Animal " é a última parte desta trilogia e ficará patente até 6 de janeiro.

Até 30 de dezembro, e no âmbito do Lisbon Sintra Film Festival – Leffest, o MU.SA – Museu das Artes de Sintra recebe a exposição “Psychogenic Fugue” de Sandro Miller. Inserida no ciclo  “Waiting for Mr. Lynch”, “Psychogenic Fugue” tem a assinatura do fotógrafo americano Sandro Miller e contempla uma série de fotografias de grande escala, nas quais o ator John Malkovich é retratado na pele das mais icónicas personagens da obra de David Lynch.

Neste fim de semana, o MU.SA oferece também aos seus visitantes a possibilidade de apreciar a exposição “Artures”, de Yüksel Arslan. Numa combinação de ritmos e texturas da memória, e da história, o discurso de Arslan ultrapassa uma possível categorização, sendo que ele próprio, em 1962, criou o acrónimo “arture” (a partir da palavra “arte” e do sufixo “ure”, como em peinture e sculpture). Através de um diálogo com a herança surrealista, a literatura, a filosofia, o tradicional e o moderno, o temporal e o intemporal, as suas obras são como apontamentos num diário, onde regista impressões, perceções e observações. Esta exposição, a primeira em Portugal, é uma escolha de 14 artures de várias séries em que trabalhou, como “Influences” (1980-1984), “L’Homme” (1986-1999) e “Nouvelles Influences” (2000- 2010).

Estarão também patentes neste espaço de cultura os trabalhos premiados na XIV Edição do Prémio de Pintura e Escultura de Sintra - D. Fernando II e na IV Edição do Prémio de Fotografia de Sintra, bem como a exposição “VOAR” de João Manuel Caxaria Santos que tem por objetivo demonstrar a importância da arte no desenvolvimento do indivíduo, tanto para aumentar as suas competências artísticas e cognitivas, como a auto-estima e felicidade, revelar o quanto a mesma contribui para promover a sua inclusão na sociedade e chamar a atenção para a Síndrome de Dravet, uma doença ainda desconhecida da sociedade em geral e da própria classe médica. 

Dia 29 de dezembro, na Quinta Nova da Assunção, em Belas, o Teatro Reflexo está de volta a Sintra com o projeto “Casa Assombrada- Beatriz”. A história, criada por Michel Simeão, promete proporcionar uma experiência de cortar a respiração desafiando os mais destemidos numa experiência aterrorizadora. Os participantes são convidados a visitar o palacete da Quinta e a conhecer as histórias arrepiantes daquele edifício, enquanto se defrontam com os mais diversos desafios, envolvendo-os de uma forma direta e intensa nesta experiência. As sessões têm aproximadamente a duração de 50 minutos e ocorrem entre as 21h e as 23h30.

Image