“Elogio da Infertilidade” vence Prémio Ferreira de Castro

ferreira de castro

O Prémio Ferreira de Castro de Ficção Narrativa, instituído pela Câmara Municipal de Sintra, para estimular a criação literária, foi atribuído, por unanimidade, à coletânea de contos “Elogio da Infertilidade”, da autoria de Cláudia Andrade Fernandes.

O júri, constituído por Annabela Rita, em representação da Associação Portuguesa de Escritores, Liberto Cruz, pela Associação Portuguesa dos Críticos Literários, e Ricardo António Alves, designado pela Câmara Municipal de Sintra, baseou-se na qualidade da escrita e inovação formal revelada pela autora ao longo das composições.

Foram igualmente distinguidos com Menção Honrosa, também por unanimidade, os originais “Amazona Portuguesa” (romance), de Mário Silva Carvalho; “Como Desmontar uma Nuvem” (contos), de José Eduardo Mendonça Umbelino Filho; “Danação” (romance), de Luís Pimentel; e “O Privilégio dos Mortos” (romance), de Whisner Fraga.

O Prémio tem um valor pecuniário de cinco mil euros e contempla a edição da obra premiada pela Câmara Municipal de Sintra.

Na sua décima edição, o Prémio Ferreira de Castro de Ficção Narrativa já distinguiu originais inéditos de Guida Fonseca, Diálogo do Vento e do Mar; Sérgio Luís de Carvalho, Anno Domini 1348; Serafim Ferreira,  Elogio do Cavaleiro;  Risoleta Pedro Natálio, A Criança Suspensa; Rui da Costa Lopes, A Siberiana; Teresa Mascarenhas, Um Triângulo no Infinito;  e Ascêncio de Freitas, A Noite dos Caranguejos.


Imprimir